Dimensões da criatividade: percepção e método

 Ementa:

A disciplina analisa as principais teorias sobre a criatividade e métodos para estimular a confiança criativa de indivíduos e organizações. Com abordagem multidisciplinar, o programa explorará a teoria da percepção do ponto de vista fenomenológico, uma introdução às contribuições da neurociência para compreensão dos processos criativos e as principais técnicas de solução criativa de problemas (creative problem solving).

Objetivo geral:

Analisar e compreender criticamente as principais dimensões dos processos criativos como forças motrizes das estratégias de inovação.

Objetivos Específicos:

Definição de criatividade

Abordagem neurocientífica da criatividade

Abordagem fenomenológica da criatividade

Testes de criatividade

Dimensões da criatividade (comunicação, espaço, tempo e métodos)

Educação para a criatividade

CRONOGRAMA

  1. Introdução – 17 de agosto de 2020 – Apresentação e metodologia de trabalho
    • (CEF, 2015)
  2. Ecossistemas criativos
    • (JOSGRILBERG, F. B, 2020).
  3. Neurociência é a sua concepção de ser humano
    • (EAGLEMAN, 2017)
    • (KONKIEWITZ, 2017)
  4. O que é criatividade? Uma visão da neurociência.
    • (EAGLEMAN, 2019)
    • (KAUFMAN, 2019)
    • (ABRAHAM, 2018)
    • (SIMONTON, 2018)
  5. Fenomenologia e a concepção de ser humano
    • (SILVA, 2017)
    • (MERLEAU-PONTY, 1975)
    • (JOSGRILBERG, 2011)
  6. O que é criatividade? Uma perspectiva fenomenológica
    • (OSTROWER, 2010)
    • (NELSON, 2014)
    • (COSMELLI; PREISS, 2014)
  7. A Teoria da Enação e criatividade
    • (STEWARD; GAPENNE; DI PAOLO, 2010; DAVIS et al., 2015; MALININ, 2016)
  8. Testes e instrumentos de avaliação de criatividade
    • (METWALY; KYNDT; VAN DEN NOORTGATE, 2017)
  9. 1-4 dimensões de ambientes criativos centrados no ser humano (fluxos de comunicação)
    • (RINGEL et al., 2019)
    • (JOSGRILBERG, 2015)
    • (WEATHERS; STRAYER, DAVID; LIKENS, 2013)
  10. 2-4 dimensões de ambientes criativos centrados no ser humano (tempo)
    • (COSMELLI; PREISS, 2014)
    • (GREGO, 2014)
    • (GALENSON, 2009)
  11. 3-4 dimensões de ambientes criativos centrados no ser humano (espaço)
    • (REED; LISTER, 2014)
  12. 4- 4 dimensões de ambientes criativos centrados no ser humano (método)
    • (RUSSO, 2016)
  13. Biografias – Leonardo da Vinci
  14. Biografias – Albert Einstein
  15. Encerramento – 25 de novembro de 2019 – Apresentação de projetos
Avaliação

Projeto

Artigo

Bibliografia

ABRAHAM, A. The Neuroscience of Creativity. Cambridge: Cambridge University Press, 2018.

CEF. Creative Problem Solving Tools & Techniques Resource Guide. Scituate: Creative Education Foundation, 2015.

COSMELLI, D.; PREISS, D. D. On the temporality of creative insight: a psychological and phenomenological perspective   Frontiers in Psychology  , 2014. . Disponível em: <https://www.frontiersin.org/article/10.3389/fpsyg.2014.01184>.

DAVIS, N. et al. An Enactive Model of Creativity for Computational Collaboration and Co-creation BT  – Creativity in the Digital Age. In: ZAGALO, N.; BRANCO, P. (Ed.). London: Springer London, 2015. p. 109–133.

EAGLEMAN, D. Quem sou eu. In: O cérebro: uma biografia. São Paulo: Rocco, 2017.

EAGLEMAN, D. Como o cérebro criaUSA, 2019. . Disponível em: <https://www.netflix.com/br/title/81090128>. Acesso em: 11 ago. 2019.

GALENSON, D. W. Old masters and young geniuses: The two life cycles of human creativity. Journal of Applied Economics, v. 12, n. 1, p. 1–9, 2009. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1514032609600027>.

GREGO, M. O guru Steven Johnson conta de onde vem a inovação. Disponível em: <https://exame.abril.com.br/tecnologia/o-guru-steven-johnson-conta-de-onde-vem-a-inovacao/>. Acesso em: 20 out. 2019.

JOSGRILBERG, F. A contribuição de Milton Santos para os estudos de ecossistemas das mídias. Palabra Clave – Revista de Comunicación, v. 18, n. 4, p. 1196–1214, 1 nov. 2015. Disponível em: <http://palabraclave.unisabana.edu.co/index.php/palabraclave/article/view/5793/pdf>. Acesso em: 8 abr. 2019.

JOSGRILBERG, F. B. A fenomenologia de Maurice Merleau- Ponty e a pesquisa em comunicação. Fronteiras – estudos midiáticos, v. 8, n. 3, p. 223–232, 28 abr. 2011. Disponível em: <http://revistas.unisinos.br/index.php/fronteiras/article/view/6137>. Acesso em: 8 set. 2019.

JOSGRILBERG, F. B. A dimensão comunicacional da inovação e as organizações como ecossistemas criativos. Em elaboração.

KAUFMAN, S. B. The Neuroscience of Creativity: A Q&A with Anna Abraham. Disponível em: <https://blogs.scientificamerican.com/beautiful-minds/the-neuroscience-of-creativity-a-q-a-with-anna-abraham/>. Acesso em: 30 jan. 2019.

KONKIEWITZ, E. C. Inteligência e criatividade. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?time_continue=13&v=8-N3YVktASw>. Acesso em: 11 ago. 2019.

MALININ, L. H. Creative Practices Embodied, Embedded, and Enacted in Architectural Settings: Toward an Ecological Model of Creativity. Frontiers in psychology, v. 6, p. 1978, 6 jan. 2016. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26779087>.

MERLEAU-PONTY, M. Phénoménologie de la perception. Paris: Gallimard, 1975.

METWALY, S.; KYNDT, E.; VAN DEN NOORTGATE, W. Approaches to Measuring Creativity: A Systematic Literature ReviewCreativity. Theories-Research-ApplicationsUniversity of Białystok – Faculty of Pedagogy and Psychology, , 2017. .

NELSON, C. B. The creative process: A phenomenological and psychometric investigation of artistic creativity. 2014. 2014. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11343/38999>.

OSTROWER, F. Criatividade e os processos de criação. 25a. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

REED, C.; LISTER, N.-M. L. Ecology and Design: Parallel Genealogies,” Places. Places, n. April, 2014.

RINGEL, M. et al. Most Innovative Companies 2019: Rise of AI, Platforms, and Ecosystems. [s.l: s.n.]. Disponível em: <https://www.bcg.com/publications/collections/most-innovative-companies-2019-artificial-intelligence-platforms-ecosystems.aspx>. Acesso em: 21 mar. 2019.

RUSSO, S. Di. Understanding the behaviour of design thinking in complex environments. 2016. Swinburne University of Technology, 2016.

SILVA, F. L. Merleau-Ponty: Filosofia e Percepção, 2017. . Disponível em: <https://br.video.search.yahoo.com/search/video;_ylt=AwrGHTbQenVdFkUAm0Ee6gt.;_ylu=X3oDMTBncGdyMzQ0BHNlYwNzZWFyY2gEdnRpZAM-;_ylc=X1MDMjExNDcxMDA0NgRfcgMyBGFjdG4DY2xrBGNzcmNwdmlkA3h2YXRCekV3TGpGQUtuNkpYSUxESkFEM01qZ3dOQUFBQUFEWk9QbFkEZnIDbWNhZmVlBGZyMgNzYS1>. Acesso em: 8 set. 2019.

SIMONTON, D. K. Creative Ideas and the Creative Process: Good News and Bad News for the Neuroscience of Creativity. In: JUNG, R. .; VARTANIAN, O. (Ed.). The Cambridge Handbook of the Neuroscience of Creativity. Cambri: Cambridge University Press, 2018.

STEWARD, J.; GAPENNE, O.; DI PAOLO, E. A. Enaction: toward a new paradigm for cognitive science. [s.l: s.n.]

WEATHERS, K.; STRAYER, DAVID, L.; LIKENS, G. E. Fundamentals of Ecosystem Science. New York: Elsevier, 2013.